[Resenha] O Espadachim de Carvão - Affonso Solano














Título: O Espadachim de Carvão
Autor(a): Affonso Solano
Páginas: 255
Editora: Fantasy



Kurgala é um mundo abandonado por Quatro Deuses. Adapak é filho de um deles. E agora ele está sendo caçado. Perseguido por um misterioso grupo de assassinos, o jovem de pele cor de carvão se vê obrigado a deixar a ilha sagrada onde cresceu e a desbravar um mundo hostil e repleto de criaturas exóticas. Munido de uma sabedoria ímpar, mas dotado de uma inocência rara, ele agora precisará colocar em prática todo o conhecimento que adquiriu em seu isolamento para descobrir quem são seus inimigos. Mesmo que isso possa comprometer alguns dos segredos mais antigos de Kurgala.

Obs: A resenha está grande, mas vai valer a pena!

O que dizer desse livro? Imagino que o estilo dele não seja absolutamente inédito, mas nunca li nada igual na minha vida. Dramático, não? Mas é verdade. O Espadachim de Carvão tem tanta informação que eu não sei por onde começar esta resenha.

Quando terminei de ler o primeiro capítulo, eu pensei "O que?". Affonso Solano criou todo um universo próprio e inovador, com criaturas, palavras e descrições únicas, para as quais não consegui achar correspondente na realidade. Por isso, tive que reler o primeiro capítulo para conseguir entender o começo dessa estória impressionante. Conforme a estória avançou percebi que o autor foi explicando as coisas que eu não tinha conseguido entender.

Bom, vamos para a estória. No universo mitológico criado pelo autor Kurgala era um enorme mar, cujos senhores eram Abzuku e Tiamatu. E então os Dingirï (uma espécie de deuses) desceram dos céus. Estes são Os Quatro que São Um: Anu' När, o Artesão; Enlil' När, o Viajante; Enki' När, a Voz e Ninty' När, a Lança. Após criarem os mortais, dentre os quais não há apenas humanos, mas diversas criaturas de diferentes espécies, os Dingirï enfureceram os espíritos. Enki' När, não querendo que os imortais fossem dizimados, prende Abzuku e Tiamatu sem consultar seus irmãos, causando a discórdia e a divisão entre os quatro.

Aonde entra Adapak em tudo isso? Adapak é filho de um dos Dingirï. A aparência que o autor concedeu ao personagem faz dele único, tanto para o leitor como para os demais personagens do livro. Seu corpo não possui pelo algum, sua pele é como carvão, seu nariz e ouvidos são apenas orifícios, sua boca é pequena e seus lábios finos. Mas o mais peculiar de sua aparência são seus olhos: totalmente brancos!

http://espadachimdecarvao.com/category/ilustracoes/page/2/

Adapak, apesar de um guerreiro habilidoso, é um amor de protagonista. Sua inocência e honestidade são tocantes e raras nos tempos atuais, semelhantes a de uma criança. Estas qualidades vem acompanhadas de uma instrução completa e profunda adquirida em seu contato com seu pai, Dingirï.

A vida do espadachim de carvão, apelido dado por uma fêmea pela qual ele se apaixona, é tranquila e sossegada no Lago Sem Ilha. Isso até que sua Casa é invadida por assassinos e Adapak se vê obrigado tanto a fugir para salvar sua vida quanto a enfrentar o mundo pela primeira vez em todos os seus ciclos de existência.

- Vou contar a ele que o espadachim de carvão me salvou.
- Certo - o rapaz disse, divertindo-se com o apelido.

Adapak tenta descobrir quem são os seus perseguidores e o que querem. No caminho um mundo totalmente novo, hostil e curioso, se revela a ele, bem como segredos a respeito do seu passado e da história dos Quatro Que São Um.

O livro tem muita gente decapitada e amputada para o meu gosto, MAS e aqui faço questão de colocar um grande MAS fiquei fascinada pela estória. Amei o personagem principal, tão sincero, tão simples e tão forte ao mesmo tempo. Ele vive tão intensamente as emoções, como alguém que as vivencia pela primeira vez. 

Ele guardou a pedra púrpura no saco, olhando com vergonha para aquele símbolo de sua óbvia inocência, exposta com maestria por aquele humano que ele mal conhecia.

Tem romance? Tem!!!! Tem primeiro amor, coração partido, carta de despedida Affonso, não faz isso comigo, eu quero saber o que tem escrito na carta!!!!, tem novos amores. Tudo isso do ponto de vista de um jovem inocente que está descobrindo o que é amar, ou seja, apaixonante.

Acho que deu para perceber que eu amei o livro, né? O universo de Kurgala que o autor criou é absurdamente criativo e diferente de tudo o que eu já li antes. É justamente por isso que O Espadachim de Carvão é o tipo de livro que você deve ler quando tiver tempo, para conseguir apreciar e imaginar todas as descrições e detalhes narradas pelo autor. Preciso da continuação para ontem!

15 comentários:

  1. Gente, que história! Diferente do que já vi.
    Dificil acreditar que Adapak seja tão inocente quanto dizem. Mas as aparências enganam.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Luiza, é difícil de acreditar mesmo na inocência de Adapak. Mas ela conseguiu me convencer, pareceu bem sincera!

      Beijos

      Excluir
  2. Olá ^^

    Nossa, a mitologia criada pelo autor parece fantástica! Ainda não li, mas está na minha lista dos próximos a serem lidos, tendo romance então, já vou adiantar essa leitura rsrs

    Beijão,

    http://livrosentretenimento.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu já estava louca para comprar esse livro, agora então! Adorei sua resenha!

    http://umleitornooceano.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oii!! Não sou fã desse gênero, mas achei bem interessante, até porque sua resenha é ótima!!
    Beijos, Bru - www.naoemprestolivros.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá, parabéns pelo blog, já estou te seguindo!
    Poderia passar no meu?
    http://sacoliterario.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou passar lá sim. Obrigada por seguir amore!

      Beijos

      Excluir
  6. Olá Lili!
    Uau adorei tudo nesse livro haha O gênero me atrai e a história parece ser muito interessante! Sua resenha está excelente e me deu mais vontade de ler haha
    Garota Vermelha
    www.livrosdagarotavermelha.wordpress.com

    ResponderExcluir
  7. Oi Lili,
    Esse livro (a série, na verdade) já está na minha lista a um tempinho. Gosto de fantasia e tenho curtido muito alguns autores nacionais que tem trabalhado com esse gênero. Alguns amigos haviam me indicado esse do Affonso, quero ler em breve, é bom ver mais uma opinião positiva sobre o livro.
    Espero curtir também!
    Beijão
    Blog Cooltural

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia, leia, leia...hahaha. Eu amei demais, espero que você goste também.

      Beijos

      Excluir
  8. Nunca tinha ouvindo falar desse livro mas pela tua resenha fiquei bem surpresa! Ele parece ser realmente muito bom e fiquei super curiosa, principalmente por ser o meu gênero favorito de livros <3

    Beijos,
    Bia.

    www.nasuaestanteblog.blogspot.com | @NaSuaEstante_

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito bom Bia, vale muita a pena!

      Beijos

      Excluir
  9. Olá, tudo bem?

    Eu já ouvi falar bastante desse livro, mas acho que não leria ele, não sei explicar bem o porque, mas não sinto aquela vontade imensa de lê-lo :/

    Gostei da sua resenha, explicou muito bem!

    Beijos,

    http://sweetlikecaramel.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah Nazaré, que pena! Mas tem livro que é assim mesmo, simplesmente não chama a nossa atenção.

      Beijos

      Excluir

© Meninas na Literatura | Layout por A Design e Ilustração por MK Designer