[Resenha] O Reino das Vozes que Não se Calam - Carolina Munhóz e Sophia Abrahão


Título: O Reino das Vozes que Não se Calam
Autor(a): Carolina Munhóz e Sophia Abrahão
Páginas: 285
Editora: Rocco
 
 O coração começava a parar e ela perdia a consciência. Conforme afundava de olhos abertos, via as criaturas daquele santuário. Ninguém entenderia sua decisão. Os pais e amigos ignoraram seus diversos apelos. Os seres mágicos também fecharam os olhos e ouvidos para as vontades dela.
Queria viver no Reino. Estar em um lugar onde seria sempre querida. Por isso tomara a decisão drástica. Precisava dormir eternamente. Ansiava por sorrir para os sereianos e dizer que estava tudo bem, que tudo daria certo.
Nos contos de fadas era assim...
  
Sophie é uma protagonista nada tradicional. Com sua magreza excessiva e seus esvoaçantes cabelos ruivos a garota é alvo de constante bulliyng e críticas no colégio, o que faz com que se feche ainda mais em seus pensamentos sombrios e negativos. Tudo piora quando é humilhada em uma festa, na frente de seus colegas. Tal humilhação serve de gatilho para uma profunda depressão que assola a ruiva, fazendo com que esta perca a vontade de ir ao colégio, de comer, de conversar com seus pais.


Diante de todo sofrimento, Sophie é transportada para outra dimensão. Neste novo Reino, no qual tudo é mágico, as flores cantam e os animais falam, a garota é uma amada princesa prestes a herdar o trono. Para isso, ela precisa vencer três etapas: a dos Amantes, a do Louco e a da Morte. Cada vez mais envolvida com os Tirus, Sophie se entrega a depressão, perdendo a vontade de viver na Terra e procurando uma maneira de viver em seu mundo perfeito para sempre. 

Mas o lugar dela não era mais aquele. Precisava retornar ao Reino das vozes que não se calam. Necessitava ser feliz. 

Pode um livro ser pesado e leve ao mesmo tempo? O Reino das Vozes que Não se Calam mostra que sim. Abordando a temática da depressão e dos distúrbios alimentares, as autoras criam todo um mundo mágico para contar os sofrimentos e as dores que acometem a protagonista. Ao mesmo tempo que lidamos com o lado sombrio da história, conhecemos o lado alegre e colorido, que parece um misto de fantasia com alucinações.
 
Com o passar da narrativa as autoras conseguem transmitir para o leitor toda a intensidade dos sentimentos de Sophie. O que se não fosse tão triste e tocante seria desesperador e até irritante. Conseguimos ver a entrega da menina aos pensamentos negativos e a desesperança, mas também conseguimos vê-la chegar ao fundo do posso e se reerguer. O livro é uma história linda de superação e luta, de aceitação e de amor próprio, de relacionamento familiar, amizade e reinício. 

Gostei muito dos personagens Léo e Mônica. Ambos dedicam-se a ajudar Sophie, mas não por pena ou por acha-la uma coitadinha, mas sim por verem na ruiva o que essa não consegue ver em si mesma. Tais amizade e dedicação são tocantes e importantes na história e me tocou muito, o fato deste não desistirem mesmo diante de toda a rejeição e sarcasmos na garota.

Estou impressionada com o livro. Amei essa história dura e linda, não porque a narrativa em si seja fantástica desculpem pela sinceridade, mas porque retrata a realidade de tantas pessoas, não apenas adolescentes. Admiro quando os autores conseguem pegar um tema como esse e transformá-lo em uma narrativa mágica de superação. Não vejo a hora de ler o próximo livro e conhecer mais a respeito de Sophie e do Reino dos Tirus.
 

3 comentários:

  1. Olá, Lili!
    Esse livro parece ser mesmo ótimo. A estória misturando a fantasia com a dura realidade foi uma ótima jogada. Deve ter ajudado muitas pessoas. Adorei!
    Beijos, Garota Vermelha
    www.livrosdagarotavermelha.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oiii, não sei se curto esse estilo, sei la, não tenho muito conhecimento sobre o genero, e isso compromete meu julgamento kkkkkkkkkkk.
    Beijos, Bru - www.naoemprestolivros.com.br

    ResponderExcluir
  3. Também não sei se curto kkk </3
    Mas, claro, daria uma chance antes de dizer algo!
    Parabéns pela resenha. Arrasou, como sempre.

    Abraços,

    Pedrim
    http://pedrimoliveira.blogspot.com/

    ResponderExcluir

© Meninas na Literatura | Layout por A Design e Ilustração por MK Designer